MENU

Envie um Whatsapp para:

(64) 9 9905-5690

X
X

Fale Conosco:

Aguarde, enviando contato!
X

LIGAMOS AGORA PARA VOCÊ!

Informe seu telefone para esclarecermos suas dúvidas

Aguarde, enviando contato!

Queda de juros aquece mercado imobiliário e favorece compra de imóvel

Acompanhando a queda da taxa básica de juros, bancos melhoram condições de crédito e setor vê aceleração no número de vendas

  • John Paulo
  • Notícias
Queda de juros aquece mercado imobiliário e favorece compra de imóvel

O setor imobiliário tem demonstrado bom fôlego e números bastante positivos diante da crise econômica provocada pela pandemia causada pelo novo coronavírus. Somente no primeiro semestre de 2020, 133.786 imóveis foram financiados por pessoas físicas, registrando um aumento de 35,2% quando comparado com o mesmo período de 2019, alcançando a maior alta dos últimos 10 anos. O levantamento é da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip).

 
Além disso, durante os seis primeiros meses, o preço médio do metro quadrado no Brasil teve alta de 1,4%, segundo dados do Índice FipeZap, que acompanha os preços de imóveis anunciados em 50 cidades. Considerando apenas julho, a valorização média no país foi de 0,28%. Entre as capitais, Brasília foi a que registrou maior crescimento: 1,92%.

Esse dado é refletido em um outro muito importante para o segmento, o Índice de Velocidade de Vendas (IVV), que atua como um termômetro para avaliar a agilidade no processo de negociação de imóveis novos. Quanto maior o índice (acima de 5% é considerado bom), melhor é o cenário. Em junho, o IVV no Distrito Federal foi de 11,1%, o melhor resultado da série histórica, iniciada em 2015.

Taxa Selic
De acordo com profissionais que atuam no mercado, um dos principais motivos para o bom momento vivido pelo setor é a recente redução da taxa básica de juros da economia, a Selic, que está em 2% ao ano, menor patamar da série histórica. Esse movimento está diretamente relacionado aos custos dos créditos imobiliários, já que possibilita a redução dos preços das prestações dos contratos.

 
Para se ter uma ideia, de janeiro a julho deste ano o Banco de Brasília (BRB) concedeu 1.935 financiamentos destinados à compra de imóveis no DF, atingindo um montante de R$ 624,8 milhões. O volume é 739,7% maior em relação ao mesmo período de 2019.

“Para o mercado imobiliário, a redução na taxa do contrato bancário tem um impacto essencial, pois, possibilita que mais pessoas tenham acesso a um financiamento”, diz Pedro Fernandes, CEO do Grupo Beiramar. Segundo ele, o movimento também é importante para quem está buscando um imóvel para investir, uma vez que outras aplicações que têm como referência a Selic se mostram pouco atrativas no atual momento. “Estamos sentindo uma valorização no preço das unidades, além de aumento nos insumos utilizados nos materiais de construção, o que acaba elevando o valor final de um empreendimento”, acrescenta.

Fernandes aponta ainda que, atualmente, Brasília conta com o menor volume de estoque de unidades novas, com aproximadamente 3.600 imóveis à venda. “Para termos uma ideia, em 2007, no auge do boom (imobiliária) na cidade, esse número era de 8 mil. Com muita demanda e pouca oferta, os preços tendem a se valorizar”, explica.

 

Fonte: Metropoles

  • Compartilhe
  • Compartilhar no Messenger

Deixe seu comentário aqui: